DANÇA DO VENTRE

Origem

A dança do ventre surgiu entre 7000 e 5000 a.C no Antigo Egito, Babilônia, Mesopotâmia, Índia, Pérsia e Grécia. Existem controvérsias de que a dança surgiu no Egito, é comum atribuir a origem à rituais oferecidos em templos dedicados à Deusa Ísis, em agradecimento à fertilidade feminina, ofereciam à Ela flores, incenso, essência, água e fogo; e às cheias do Rio Nilo, as quais representavam fartura de alimentos para a região. Os movimentos de ondulações abdominais (parecidos com o de uma serpente), já eram conhecidos no Antigo Egito, com o objetivo de ensinar as mulheres os movimentos de contração do parto aliados a música dedicados às Deusas, para se tornarem mães. São movimentos corporais e sexuais femininos que revelam a sensualidade da mulher.
A expressão dança do ventre surgiu na França em 1893, no oriente é conhecida pelo nome árabe raqs  sharqi (dança oriental) ou raqs baladi (dança do país ou dança popular), na Turquia é conhecida pelo nome çiftetelli, em grego τσιφτετέλι e na América do Norte como BellyDance.

A Invasão

Ao invadirem o Egito, os árabes ficaram encantados com a dança do ventre e usaram em seus costumes, só que, de uma forma mais alegre e acelerada. As mulheres dançavam em festas de casamentos para os maridos ou eventos fechados para familiares. E tinham também as odaliscas (profissionais do sexo) que dançavam para agradar os reis. Era comum receberem dinheiro nos cinturões, ouro e jóias. Assim, a dança espalhou-se pelo mundo.

Diferenças entre os estilos

Egípcio

Os egípcios apresentam características de um povo altamente religioso, voltando para a eternidade.
As egípcias dançavam para os deuses, agradecendo, reverenciando-os e pedindo-lhes sua proteção.
A dança egípcia proporciona um clima de mistério, de enigma e uma sensualidade sagrada.
O corpo da bailarina na dança egípcia é sagrado e não pode ser tocado.
Os movimentos da dança são leves e calmos.

Árabe

Os árabes apresentam características de um povo sensual, alegre e hospitaleiro, que vive intensamente o amor e os prazeres da vida.
Os árabes dançam para agradar e alegrar os seres humanos, em festas, cerimônias e espetáculos.
A dança árabe propicia um clima de lazer e de sensualidade.
Os movimentos da dança são mais intensos e sensuais.

 Norte - americana

Os americanos apresentam movimentos na dança mais intensos de quadril, deslocamentos amplamente elaborados, movimentos do Jazz, utilização de véus em profusão, movimentos de mãos e braços mais bem explorados.

Libanesa

 Os movimentos na dança dos libaneses são com shimmies mais amplos e informais, seguidos de deslocamentos muito simplificados.

Benefícios da Dança

No plano espiritual: propicia contato com a divindade suprema, permitindo amor e harmonia entre os seres vivos. Concede paz interior, sabedoria de vida e consciência da própria existência.
No Plano astral: acelera a mente, estimulando a memória, favorecendo maior concentração e despertando a consciência para o momento.
No plano emocional:  transforma a emoção, dando a mulher mais feminilidade, beleza, suavidade, confiança e segurança. Permite a mulher o desbloqueio de sentimentos reprimidos e a torna mais audaciosa e provocante.
No plano sexual: estimula todos os órgãos reprodutores, equilibra a dosagem de hormônios e aumenta o desejo sexual.
No plano físico: estimula a circulação, favorece os pulmões com mais oxigenação; flexibilidade e alongamento; aumenta os reflexos, educa a postura, deixando a coluna ereta; fortalece e tonifica os músculos das pernas, coxas, quadris, abdômen, nádegas e braços; concede formas arredondadas ao corpo; permite um bom funcionamento do rins, eliminando o excesso de líquidos, e intestino favorecendo a digestão; alivia a tensão da nuca, ombros e mãos; auxilia nos problemas menstruais e em partos, facilitando as contrações e a dilatação.

Tipos de Dança

 

Dança com o Jarro

Dança antiga que simboliza a água no deserto, representando todo valor que a água tem para o povo nômade.
No Egito a dança do jarro e originária dos rituais de nascimento, como também para agradecimento as cheias geradas através das inundações do rio Nilo.

Dança com Candelabro

Dança tradicional egípcia, que está relacionada com as comemorações mais felizes, como casamentos e nascimentos.
A dançarina equilibra o candelabro na cabeça, simbolizando a luz que guia o feliz casal ou a chegada de uma nova vida, pois a luz das velas transforma-se numa ponte entre os mundos, material e espiritual.

Dança com Snujs (Sagat - Egito)

Os snujs trazem alegria a dança. No antigo Egito antes de rituais, as sacerdotisas dançavam e tocavam o sagat procurando energizar o ambiente e assim dissolver os maus fluídos, pediam aos deuses, que trouxessem frutos para a humanidade em forma de paz, harmonia e felicidade.

Dança com o Véu

Atualmente , o véu é o principal elemento na entrada da dançarina, engrandece a sua figura chamando a atenção para sua chegada. A maioria dos movimentos foi desenvolvida pelas dançarinas do ocidente, principalmente as americanas. O véu transmite mistério e em muitas culturas está relacionado a virginidade. Os tecidos são leves transparentes. Com o véu podemos criar várias figuras que representam a cultura árabe e egípcia. Seus movimentos podem ser suaves ou vibrantes, a música define bem esses momentos e cabe a dançarina sintonizar-se com eles, sendo ele o símbolo conhecido oculto ou revelado.

Dança da Bengala

A dança da bengala é uma paródia em relação a combativa dança masculina Tarkih, esta dança representa os pastores tocando o rebanho nos pastos. O cajado serve de arma em proteção das areias do deserto, as mulheres criaram esta dança imitando os homens em seus trabalhos.

Dança da Espada

Esta dança tem a finalidade de homenagear a deusa guerreira Neit, que era adorada no Egito.
A espada simboliza a força da deusa que protege os mais fracos destruindo os inimigos e abrindo os caminhos.
Já no lado árabe, nas antigas tribos nômades durante um divertimento após um longo dia em busca de alimentos ou após as guerras, as mulheres se enfeitavam em sua dança tomavam as afiadas espadas dos guerreiros e demonstravam equilíbrio e habilidade em seu manuseio.

Dança das Flores

Uma dança linda e singela, muito representativa, pois é a própria primavera.
Representa a alegria, e as dançarinas com suas cestas espalham flores e pétalas pelo ambiente em que circulam, ou as jogam delicadamente nos anfitriões, nos aniversariantes ou noivos. Nestes, as pétalas podem ser vermelhas (amor) e brancas (paz e união), um gesto lindo de desejar felicidade ao casal. Essa dança é muito interessante quando interpretada por adolescentes,ou mesmo meninas, pois simbolizam a pureza.

Dança das Taças

Esta dança tem como simbolismo iluminar os caminhos como lamparinas em noites escuras.
As dançarinas botam em suas mãos taças, em movimentos simulando serpentes, seus braços se movimentam lentamente, normalmente são dançadas em casamentos (simbolizando a luz no caminho dos noivos e iluminar a felicidade de ambos), também em batizados e em nascimentos, as velas podem ser suavemente perfumadas e coloridas.
No antigo Egito, ao dançar com as taças, a dançarina exterioriza o seu divino, a deusa interior, fazendo o seu corpo um veículo sagrado em busca da sabedoria.

Dança do Pandeiro

Esta é uma dança alegre, que representa os rituais realizados para a deusa Isis nos templos, nos quais as sacerdotisas dançavam e cantavam, enquanto as músicas tocavam os instrumentos.

Dança com Daff

Graciosa dança de provável origem cigana egípcia, e uma dança bastante alegre, executada em ritmos ágeis, como o Falahi, por exemplo.
É uma dança que exige suavidade e boa percepção musical da dançarina.

Dança do Punhal

Esta é uma dança muito antiga, onde as mulheres a usavam como símbolo de proteção, com o punhal de origem cigana, uma pequena arma branca, utilizada como defesa entre as mesmas e também encontrada entre os árabes e os povos nômades do deserto. A dança do punhal é misteriosa e cheia de suspense também é uma dança que reverencia a deusa Ceuks, rainha dos escorpiões sua simbologia representa a morte, o sexo e a transformação.

Dança dos Sete Véus

Os mistérios enigmáticos da dança dos sete véus, até hoje esconde o caminho oculto da sensualidade e sedução.
A dança é carregada de simbolismos milenares. Cada dançarina pode e deve dançar como lhe convém.
A dança dos sete véus é sagrada e ritualística no mundo antigo, também é considerada a dança da fertilidade (no Egito) e não uma dança de caráter erótico como vulgarmente pensa a sociedade do mundo Ocidental.

Khalige

Dança típica dos países do Golfo Pérsico, seu ritmo é o Soudi. A dançarina usa uma túnica transparente, ricamente bordada, deixando à mostra somente a cabeça, as mãos e os pés. Muitas vezes, pés e mãos são pintados com henna. Os cabelos são soltos e representam importante papel, nessa dança. Os movimentos corporais são simples e sutis, sendo aí que reside toda sensualidade dessa dança. Em muitos festejos, as próprias convidadas vestem suas túnicas e dançam umas com as outras, por isso muito usada em casamentos e aniversários.

Zaar

Tradicional dança ritualística de países como Sudão, a Tíbia e sobre tudo o Egito, é geralmente executada sob o ritmo Ayubi, que lembra marcha de cavalos. Além disso, para alguns estudiosos, o Zhar é executada com o intuito de limpeza espiritual e “expulsão de espíritos malignos”. A dançarina, geralmente vestida de branco, executa constantes movimentos de giros de cabeça até o transe. Ela também tem sua cabeça energizada e benzida por um rapaz que usa um incensário e dança ao seu lado.

Tribal Fusion

Totalmente hipnótico, ousado e surpreendente, é uma modalidade de dança livre e contemporânea originária dos Estados Unidos a partir do final dos anos 90 como uma vertente do Estilo Tribal Americano, e que tem como base a Dança do Ventre, permitindo fundir movimentos e figurinos de outros tipos de dança.

 

Para o meu amigo Luis, fiz esta página sobre a maravilhosa Dança do Ventre, que pratico há 9 anos e amo demais esse ritmo.

Tag "Dança Oriental" e texto - by Sweet Seduction/2009 - Daniela

 

Index
 

Design by Jana Saucedo®

Copyright© 2009 by Jana Saucedo

Todos os direitos reservados.